Cantor sertanejo Barreto vende cerca de 30 milhões de máscaras por mês e ganha fortuna

A pandemia que se estende no país desde março do ano passado fez uma crise financeira ainda mais intensa do que as antigas se instaurarem no país. Com a falta de eventos e o isolamento social, os artistas da música sertaneja também passaram a viver algo inédito, o que fez alguns deles inclusive demitirem funcionários para conseguir se manter. No entanto, não foi o caso de Barreto, cantor sertanejo da dupla Bruno e Barreto, que se reinventou e abriu uma fábrica de máscaras.

Desde os primeiros conhecimentos sobre a circulação o vírus, uma das medidas mais eficazes e defendidas pelos profissionais da saúde tem sido usar o objeto de proteção quando precisar sair de casa. Descartáveis ou não, coloridas ou mais discretas, a procura pelas máscaras disparou já que esse se tornou o utensílio mais importante no mundo em pouco tempo, e o músico Barreto acatou a ideia inovadora de um amigo.

O cantor sertanejo se deparava no início desse caos sanitário com dívidas e chegou a vender bens para quitar a principal delas: “Quando chegou a pandemia, eu precisava quitar um pouco das contas de minha casa nova. Tinha os meus ouros que eu usava e eu vendi pra poder colocar na casa. Vendi carro pra poder colocar na casa. Fiquei andando de carro alugado, motinha”, revelou.

Ao detalhar que sua empresa, a Azulmed, atende hospitais, grandes empresas e prefeituras, Barreto surpreendeu ao declarar a quantidade de máscaras que chega a vender no mês. “Um ano depois, a gente tá fazendo aí em torno de 30 milhões de máscaras por mês e a gente vende tudo. (…) Hoje a gente fornece 15 milhões só pra Vale.”, afirmou.

Como uma excelente alternativa de se manter, a fábrica conta com 150 funcionários e embora recentemente, o Presidente da República  tenha expressado que vetaria o uso da proteção para quem já está vacinado, todos que acreditam na ciência continuarão por muito tempo se precavendo da doença, e essa é a grande maioria da população.

Concluindo, Barreto contou: Isso me salvou, terminei a minha casa, comprei a caminhonete que eu queria e graças a Deus tá indo tudo certo”.