Após 15° dia de greve, professores de MG reforçam luta pelo piso salarial de 2022, justiça declara paralização ilegal

Os professores de Minas Gerais estão em greve desde o dia 10 de março pelo pagamento do reajuste de 33,24% do Piso Nacional do Magistério de 2022 e completam hoje 15 dias de paralisação, com a adesão de 85% da categoria.

Segundo informações do portal Itatiaia, A Justiça rejeitou um recurso do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE) contra uma outra decisão que declarou ilegal a greve da categoria. A decisão desta quinta-feira (24) é do desem bargador Raimundo Messias Júnior, do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG).

De acordo com a sentença, o sindicato não cumpriu os requisitos exigidos para o exercício do direito de greve: o esgotamento das negociações entre as partes e a manutenção da continuidade da prestação do serviço público.

Segundo uma professora da rede estadual, a paralização vai continuar até dia 31 de março quando acontece uma nova assembleia.

Os grevistas se baseiam nos termos do art. 64 da Constituição do Estado, que regulamenta os vencimentos e a jornada de trabalho dos professores de Minas Gerais.

Fonte: Itatiaia.com.br